A brief history of spirometry and the spirometer Copy

Uma breve história de espirometria e espirómetro

Figura 1.5: O espirómetro de Hutchinson em uso por volta de 1850. O instrumento está colocado sobre uma mesa com cerca de um metro de altura. Mostra-se a posição de encher o peito antes de respirar no espirómetro.

https://wellcomeimages.org/indexplus/obf_images/c7/91/bbe6778220ca2d911bcf42da1f8c.jpg

Enquanto a medição da função pulmonar data dos 16th século o espirómetro foi originalmente inventado na década de 1840 por John Hutchinson, um cirurgião inglês. O dispositivo (que era tão alto como um adulto trabalhador naquela época) era essencialmente um balde calibrado que foi colocado de cabeça para baixo na água. O volume de ar expirado de pulmões totalmente insuflados pode ser medido com precisão exalando-se num tubo que conduz ao balde. O Dr. Hutchinson cunhou o termo “capacidade vital”, ou seja, capacidade para a vida, quando percebeu que há uma forte correlação entre a capacidade vital e a mortalidade.

Isto mudou por volta de 1950, quando se determinou que 90% das doenças respiratórias predominantes (asma e DPOC) eram obstrutivas (taxa de fluxo limitada) na natureza, enquanto a capacidade vital media a restrição.  Foi apenas em 1950 que o Dr. Tiffeneau da França introduziu a medição forçada do volume de ar durante um determinado período de tempo, ou seja, o volume expiratório forçado em 1 segundo, FEV1.  A adição desta medição deu-nos a capacidade de avaliar o fluxo de ar funcional e, portanto, a limitação do fluxo de ar através das vias respiratórias indicando deficiências obstrutivas. É por isso que o FEV1/FVC também é por vezes referido como o índice Tiffeneau. 

Figura 1. 6: Um moderno espirómetro baseado em PC USB

http://www.advancedmedicalengineering.com/spirometer.html